-->

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Skandha

"A palavra sânscrita skandha tem um duplo significado: pode indicar um grupo composto de unidades menores ou uma única unidade que faz parte de um grupo maior como uma divisão de exército que contém muitos soldados, mas é parte de uma força muito maior. Tradicionalmente, em seu uso budista, a ênfase era no primeiro sentido, a ideia de que cada skandha é um grupo de dharmas. Em tibetano, phung po significa literalmente 'monte, pilha', enquanto as primeiras traduções para o inglês usavam 'agregar'. Para mim, ambas as palavras soam bastante estranhas, pouco naturais. O significado alternativo tem sido mais preferido, especialmente por eruditos ocidentais, que tem usado expressões tais como 'constituintes da personalidade' ou 'componentes psicológicos'. No todo, sinto que é melhor mantê-la em sânscrito.
A filosofia budista é sempre prática e se relaciona diretamente com a experiência, por isso, muitas vezes parece ser mais uma psicologia espiritual do que uma filosofia. O sistema dos skandhas demonstra como eles se combinam para produzir a ilusão de um ser e, ainda assim, esse ser não tem base na realidade. Embora sejamos tão completamente apegados a ele, tudo o que somos e tudo o que experimentamos pode ser explicado perfeitamente sem ele. Trungpa Rinpoche descreveu os cinco skandhas como o processo de cinco etapas do desenvolvimento do ego. É por isso que não estou completamente feliz em traduzir skandha como 'componente', o que dá a impressão de entidades separadas em vez de elementos interativos e interdependentes de um processo. Eles não são tanto do que somos feitos, mas sim como funcionamos."
De "Vazio Luminoso" - Francesca Fremantle - Editora Nova Era - página 131

Nenhum comentário:

Postar um comentário