-->

sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Sutra do Buda da Medicina



"Na época degenerada quando o tempo de vida é curto, as doenças são muitas e as epidemias ferozes atacam de repente, se alguém sofre com o medo de perder a vida, deve-se realizar na prática de Orgyen Menla" Kyabje Dudjom Rinpoche Que todos os seres sencientes possam se beneficiar! Sutra do Buda da Medicina Assim ouvi: Certa vez, empreendendo uma viagem de ensinamentos por vários reinos, Bhagavan chegou a magnífica cidade de Vaishali . Ali sentou-se sob a Ditosa árvore das Brisas Musicais e uma multidão de seres, humanos e não-humanos, veio juntar-se a ele. Presente encontrava-se um séquito de bhikshus altamente evoluídos, em total de 8 mil. Junto com eles havia uma comitiva de bodhisattwas e mahasattwas, 36 mil ao todo. Compareceram também reis e seus súditos, brâmanes, leigos e uma constelação de seres celestiais. Tal era a congregação que se reuniu respeitosamente ao redor do Buda para ouvir seus ensinamentos. Naquela ocasião, o Principe do Darma Manjushri, com inspirada consciência do grande poder de influência de que o Buda era dotado, levantou-se e dele se aproximou.Despindo o ombro direito e apoiando o joelho direito no chão, com as palmas das mãos unidas, o jovem implorou: - Mundialmente Honrado, gostaríamos que nos falásseis sobre os vários nomes e títulos honoríficos dos Budas, sobre seus grandiosos votos e magníficas virtudes. Esperamos que vossas palavras libertem de todos os obstáculos cármicos os que os ouvirem. Além disso, para o bem dos seres sencientes do Período do Darma Aparente, esperamos que vossas palavras benfazejas possam neles instilar verdadeira felicidade. Ao ouvir nosso pedido o Mundialmente Honrado elogiou Manjushri:- Excelente, Manjushri, excelente! É inspirado em tua profunda e sincera compaixão pelos seres sencientes que me pedes para falar sobre os nomes e os títulos dos Budas, seus votos originais e as virtudes que o acompanham, de modo a libertar os seres sencientes do emaranhado de obstruções cármicas e a proporcionar paz e alegria a quem viver no Período do Darma Aparente. Agora, para benefício de todos, vou me pronunciar. Ouçam atentamente e contemplem cuidadosamente o que vou dizer. Respondeu Manjushri: - Esplêndido! É com imensa alegria que vos ouvimos.O Buda começou então, o seu discurso:Manjushri, a leste daqui, além das terras dos Budas, inconstáveis como as areias do Rio Ganges, encontra-se um mundo búdico chamado Terra do Puro Cristal, presidido pelo Buda da Medicina da Radiância do Puro Cristal. Adornado com título sagrados esse Buda é geralmente honrado com epítetos como "Merecedor de Oferendas", "Absoluta Consciência Universal Iluminada", "Atividade da Brilhante Plenitude", "Aquele que Partiu Imaculadamente", "Compreensão Transcendente do Mundo Comum", Insuperável", O Verdadeiro Homem que Doma e Harmoniza", "Professor de Seres Humanos e Divinos", "Desperto", "Bhagavan". Manjushri, doze grandiosos votos emanaram do Mundialmente Honrado Buda da Medicina da Radiância do Puro Cristal quando ele avançava no caminho do bodhisattva. Tais votos foram feitos com o desejo sincero de que todos os seres sencientes pudessem realizar suas aspirações. O 1º voto foi:"Em uma vida futura, que eu possa alcançar o anuttara-samyak-sambodhi.Assim meu corpo será de intenso brilho e irradiará luz fulgurante sem medida, sem fronteiras nem limites, iluminando mundos incontáveis. Adornarão este corpo 32 marcas da excelência e 80 nobres qualidades que acompanham a forma do corpo do Verdadeiro Homem. Possam todos os seres sencientes se iluminar e reconhecer que a eles pertence este corpo de intensa radiância". O 2º voto foi:"Em uma vida futura, quando de minha iluminação, que meu corpo possa resplandecer interna e externamente com a clareza do cristal puro, imaculado e impecável. Que ele seja de brilho ilimitado e virtude majestosa, de serena e eterna bondade. Possa esse corpo ser uma magnífica e incendiária rede de glória mais brilhante que o Sol e a Lua, capaz de acolher e despertar até os seres aprisionados nos mais recônditos abismos da escuridão e desesperança. Assim, todos os seres realizarão seus empreendimentos de acordo com suas intenções". O 3º voto foi:"Em uma vida futura, quando de minha iluminação, possa eu capacitar todos os seres para que obtenham em abundância as coisas mais úteis e agradáveis, eliminando a escassez e a carência. Tal realizarei por meio de ilimitada sabedoria e incomensuráveis meios hábeis". O 4º voto foi:"Em uma vida futura, quando de minha iluminação, que todos os seres sencientes prefiram trilhar o pacífico caminho bodhi a tomar a trilha das práticas nefastas. Caso existam seres que estejam seguindo pelos caminhos do shrava ou do pratyeka-buddha possam todos se engajar no Grande Veículo". O 5º voto foi:"Em uma vida futura, quando de minha iluminação, que incontáveis seres sencientes pratiquem uma vida benfazeja e observem todos os preceitos de acordo com meus ensinamentos. Pelo compromisso de ver a realidade do Darma, possam eles conquistar o tri-vidhani silani. O ser que acaso venho violar algum preceito poderá ter a sua pureza restaurada e evitar a queda nos mundos de sofrimento simplesmente por ouvir meu nome". O 6º voto foi:"Em uma vida futura, quando de minha iluminação, juro auxiliar todos os seres sencientes que sofram qualquer forma de mal. Juro libertar da dor aqueles que tem o corpo deformado, os que não tem todas as faculdades dos sentidos, os privados de beleza e encanto e os de mentalidade obtusa ou tolamente teimosos. Os cegos, surdos, roucos ou mudos; os que sofrem com os membros paralisados ou deformados; os corcundas, leprosos e loucos; os que tenham qualquer outra forma de enfermidade - todos eles, depois de ouvirem o meu nome, ganharão saúde perfeita e domínio intuitivo de conhecimento e aptidões. Eles se verão em plena posse de todas as faculdades dos sentidos e não mais experimentarão o sofrimento causado por doenças".O 7º voto foi:"Em uma vida futura, quando de minha iluminação, se houver seres sencientes atormentados pela doença, sem esperança de eliminação ou alívio do sofrimento, sem cuidados médicos ou acesso a medicamentos, sem familiares ou outros cuidadores que os ajudem, que não tenham moradia ou vivam na pobreza, que estejam experimentando qualquer sofrimento, juro que, uma vez penetrando o som de meu nome em seus ouvidos, a enfermidade desaparecerá e eles encontrarão sereno contentamento no corpo e na mente. Serão cercados de familiares e pessoas que os assistam e de tudo o que lhes havia faltado anteriormente se tornará disponível em abundância até que sua budeidade se realize". O 8º voto foi:"Em uma vida futura, quando de minha iluminação, qualquer mulher que se sinta limitada ou oprimida pelas muitas desvantagens da forma feminina e tenha nutrido desejo de abrir mão dessa forma irá, ao ouvir meu nome, ser transformada em uma forma masculina, a qual será acompanhada de todas as características do Verdadeiro Homem, assim permanecendo até a conquista da budeidade". O 9º voto foi:"Em uma vida futura, quando de minha iluminação, todos os que estiverem presos na teia do mal serão libertados de seu envolvimento com práticas heréticas. Quem houver caído na floresta escura das opiniões maléficas terá suas perspectivas corrigidas e gradualmente adotará todas as disciplinas dos bodhisattvas, prontamente alcançando a budeidade". O 10º voto foi:"Em uma vida futura, quando de minha iluminação, receberá auxílio ao ouvir meu nome o ser senciente que, devido a aplicação das leis locais, acaso tenha sido condenado às penas da chibata, prisão, suplício, morte ou qualquer outra forma de punição brutal. Assim também os que tenham sido insultados e humilhados, ou que tenham caído em abjeta miséria, ou se sintam oprimidos por angustiosa ansiedade e estejam passando por sofrimentos corporais e mentais, se ouvirem meu nome, devido ao poder inspirador de meu assombroso arrebatamento espiritual, serão todos libertados de seu sofrimento e aflição". O 11º voto foi:"Em uma vida futura, quando de minha iluminação, os seres sencientes que houverem cometido transgressões, premidos pela agonia da fome e da sede, serão auxiliados se ouvirem meu nome e nele se concentrarem. Inicialmente, fornecendo-lhes as mais deliciosas iguarias, eu lhes proporcionarei plena satisfação e contentamento corporal. Fisicamente saciados, poderão então desfrutar o maravilhoso sabor do Darma e se fixar na satisfação e no contentamento espiritual". O 12º voto foi:"Em uma vida futura, quando de minha iluminação, o ser senciente que estiver desprovido de vestimentas por causa da pobreza e sofrer aflições dos extremos de calor e frio e o tormento dos ataques de insetos dia e noite será assistido se ouvir meu nome e nele se concentrar. Instantaneamente, poderá prover-se de tudo o que desejar: roupas suntuosas de tipos variados, adornos de pedras preciosas, ornamentos florais na cabeça, ungüentos perfumados e entretenimento musical. O pleno gozo de todas as coisas evocará sua completa satisfação e contentamento".Manjushri, esses são os doze votos maravilhosos e sumamente sutis feitos pelo Mundialmente Honrado Buda da Medicina da Radiância do Puro Cristal, Merecedor de Oferendas, Absoluta Consciência Universalmente Iluminada, quando ainda trilhava o caminho do bodhisattva. E novamente o Buda dirigiu-se a Manjushri:- Um kalpa, ou mais um tempo até, não bastaria para eu esgotar os magníficos votos feitos pelo Buda da Medicina durante sua prática do caminho do bodhisattva ou descrever em detalhe as maravilhas da imaculada terra búdica que ele alcançou. Posso dizer-te que essa terra é infinitamente pura. Lá, não há formas femininas ou formas inferiores de nascimento, tampouco nenhum som de sofrimento. A terra em si é feita de puro cristal, com cordas de ouro a delimitar-lhe os caminhos. Há magníficos palácios e pavilhões com espaçosas janelas com cortinas, tudo feito com as sete pedras preciosas. A virtude e a magnificência desta terra búdica não difere daquelas da Terra Pura Ocidental. Nesse mundo búdico, dentre os inumeráveis bodhisattvas, há dois que se destacam por estarem no mais elevado nível, imediatamente anterior ao de Buda. São eles o Bodhisattva da Resplandecente Luz Solar e o Bodhisattva da Resplandecente Luz Lunar. Ambos são hábeis na preservação do Darma do Buda da Medicina. Assim, Manjushri, todos os homens e mulheres de boa vontade que tiverem a confiança e a fé devem jurar nascer nesta terra búdica.Continuando, o Mundialmente Honrado explicou a Manjushri:- Há seres sencientes que não conseguem distinguir entre a conduta benéfica e a maléfica. Inclinados a conseguir e a conservar vantagens apenas para si próprios, cultivando a ganância e avareza, desconhecendo o fruto benfazejo gerado pela prática da generosidade. Ignorantes e, portanto, desprovidos de confiança nos méritos do dar, acumulam e guardam riquezas materiais desesperadamente. Assim, quando encontram um mendigo, sofrem por saber que seu donativo não terá retribuição. É tão forte o apego a suas posses que abrir mão de um pouco é, para eles, como cortar um pedaço de sua própria carne.Manjushri, existem incontáveis seres sencientes que, gananciosos e mesquinhos acumulam grandes quantidades de recursos e de riquezas. No entanto, são incapazes de desfrutar das posses que acumularam para si e muito menos de compartilha-las com seus pais, esposos, capatazes, servidores ou com mendigos. Se ainda tiverem essa mentalidade no momento da morte, renascerão no plano dos fantasmas famintos ou no dos animais. Contudo, caso tenham a oportunidade de ouvir o nome do Buda da Medicina em algum momento de estada no mundo humano e se lembrarem desse nome, renascerão imediatamente no plano humano. Influenciados pela memória da experiência de sua vida anterior e do sofrimento dos mundos inferiores, eles estarão dispostos a se privar de prazeres sensuais e a se engajar em atividades generosas, assim como a louvar os esforços de todos os que fizerem o mesmo. Não mais se aferrarão às suas posses e gradualmente chegarão ao ponto de se dispor até a doar partes do próprio corpo se necessário, a qualquer um que lhes peça; menos apego terão, portanto, pelo que lhe restar de riquezas e posses.Além desses, Manjushri, há seres sencientes que violam preceitos, mesmo depois de terem recebido os ensinamentos de Buda. Há também os que observam os preceitos em si, mas violam as regras e normas pertinentes à vida diária. E há quem seja bem sucedido na observância dos preceitos e no cumprimento das regras e normas do cotidiano, mas que não têm a opinião correta. Em seguida, existem os de opinião correta, mas que desperdiçam ou evitam a oportunidade de aperfeiçoar seu aprendizado e, assim, não conseguem encontrar o significado profundo dos ensinamentos de Buda. E, então, há aqueles que procuram oportunidades de aprender, mas o fazem com atitude arrogante. A presunção os impede de adquirir conhecimento, mas eles continuam se considerando certos, achando que todos estão sempre errados. Tal mentalidade os leva a criticar o Darma e a solapar sua compreensão da verdade. Praticando o Darma com ignorância e incorreção, acabam por influenciar negativamente outras pessoas, levando-as a cair em perigoso abismo. Todos esses se encontrarão migrando incessantemente pelos planos inferiores. Todavia, se conseguirem ouvir o nome do Buda da Medicina da Radiância do Puro Cristal, poderão abandonar as práticas nocivas e realizar as benéficas, deixando de passar pelos mundos inferiores.Entretanto, se esses seres conseguirem ouvir o nome do Buda da Medicina da Radiância do Puro Cristal, eles poderão abandonar as práticas maléficas e adotar as benfazejas, não mais entrando nos reinos inferiores. Alguns serão incapazes de rejeitar suas práticas perniciosas de imediato e, por isso, cairão nos mundos inferiores. Ali, pelo poder dos votos do Buda, quando por fim ouvirem o nome dele sendo recitado, mesmo que por um fugaz momento, terão concluída sua existência nesses mundos e renascerão no plano humano. Então, adquirindo opinião e diligência corretas, conquistarão adequadamente a mente da alegria. Em conseqüência, conseguirão abdicar da vida convencional para se lançar à vida monástica. Serão capazes de receber os preceitos e guiar-se por eles, sem violá-los. Aproveitando a oportunidade de ouvir o Darma com a visão correta, se tornarão aptos a compreendê-lo em nível muito profundo. Sem ignorância ou incorreção em sua prática, desenvolverão gradualmente características de bodhisattva e logo alcançarão a plenitude.Manjushri, seres sencientes avaros, gananciosos, invejosos, convencidos, presunçosos e desdenhosos dos demais cairão e ficarão nos três mundos inferiores durante incontáveis milhares de anos. Depois de lá passarem por grandes dores e sofrimentos, nascerão novamente no plano humano, mas como vacas, cavalos, camelos ou asnos – animais que levam cargas pesadas e percorrem longas distâncias. Constantemente sujeitos a chibatadas, sede e fome, serão levados à exaustão e à angústia. Ou, se nascerem como humanos, será em condições muito diferentes e desprezíveis. Como servos ou escravos de outras pessoas, terão sempre de cumprir ordens e trabalhar para os outros sem gozar de liberdade para si mesmos. Contudo, se em vidas anteriores no mundo dos homens tiverem ouvido o nome do Buda da Medicina da Radiância do Puro Cristal e puderem dele se recordar, poderão honesta e entusiasticamente se refugiar no Buda. Por causa do singular poder de arrebatamento espiritual desse Buda, eles serão libertados de todos os sofrimentos. Todas as suas faculdades se tornarão agudas, e eles serão sábios e cultos, buscando constantemente o supremo Darma. Conseguirão conhecer amigos benfazejos que os encorajarão a desenvolver a virtude. Serão capazes de cortar os nós dos fios emaranhados; assim como de atravessar a carapaça da ignorância e de interromper o rio de pensamentos iludidos. Ficarão livres de preocupações, sofrimentos e agitações que acompanham o nascimento, o envelhecimento, a enfermidade e a morte.Do mesmo modo, Manjushri, as pessoas que têm por hábito cultivar a oposição e a divisão, envolver-se em conflitos e litígios, exasperando a si próprias e aos demais por meio do corpo, da fala e da mente, são reses que intensificam a incidência do mal e dos atos malévolos. Eles invocam espíritos que residem em montanhas, florestas, árvores ou tumbas, tais como yakshas ou rakshasas. Abatem um ser senciente e oferecem seu sangue e sua carne em sacrifício. Em seguida, escrevem o nome da pessoa de quem querem se vingar e desenham sua imagem, utilizando técnicas de bruxaria para lançar sua maldição sobre ela. Empregam bruxaria e poções mágicas para lesar a vítima de suas práticas malévolas. Ousam mesmo utilizar encantamentos para invocar os mortos, que, sob seu comando, ferem ou até matam a vítima escolhida.No entanto, se ouvirem o nome do Buda da Medicina da Radiância do Puro Cristal em meio a essas atividades malévolas, suas intenções danosas deixarão de ter efeito nocivo. Gradualmente, a mente compassiva surgirá nos feiticeiros e em suas vítimas, que serão beneficiados com paz e alegria. Não estando mais presente a mente cheia de ódio, destruição e vontade de prejudicar, esses indivíduos se sentirão felizes e satisfeitos com o que receberam em troca, dispensando a antiga necessidade de maltratar ou dominar uns aos outros. Em vez disso, encontrarão abundantes benefícios mútuos.Agora, Manjushri, no que concerne aos bhikshus e bhikshunis, leigos, bons homens e mulheres de pura fé, se eles receberem e observarem os Oito Preceitos de Purificação por um ano, ou mesmo por três meses, terão estabelecido boas raízes. Em virtude de seu aperfeiçoamento, desejarão nascer na Terra Pura da Suprema Bem-Aventurança do Buda Amitabha para ouvir e aprender o Darma correto. Contudo, talvez não tenham ainda desenvolvido a indispensável determinação para lá nascer. Nesse caso, à aproximação do momento do final de sua vida, se ouvirem o nome do Buda da Medicina, oito grandes bodhisattvas virão em seu auxílio: Manjushri, Avalokiteshvara, o Mahabodhisattva do Grande Poder de Cura e Salvação, o Bodhisattva da Ilimitada Intenção do Significado, o Bodhisattva do Tesouro da Flor de Sândalo, o Bodhisattva da Medicina Suprema e Maitreya. Flutuando pelo céu, eles mostram a esses seres o caminho para a Terra Pura de numerosas flores multicoloridas, onde cada um renasce no centro de uma flor em botão.Também pode acontecer de esses seres terem a determinação mais fraca ainda. Nesse caso, renascerão em um dos mundos celestiais. Apesar de terem de renascer, suas boas raízes permanecerão intactas. Portanto, depois da vida passada nos planos celestiais, não renascem em nenhum dos planos inferiores, mas no plano humano, para onde poderão vir como chakra-vartin, um soberano mundial de grande virtude que sem dificuldades une os quatro continentes e pacificamente estabelece incontáveis seres sencientes nos dez caminhos. Ou poderão nascer como xátrias, como brâmanes ou como membros de família importante e próspera, com numerosos parentes e grande abundância de riquezas e posses materiais. Eles terão boa aparência, serão astutos, sábios, corajosos e valentes, contarão com saúde física, força e energia. Ou, caso tenham sido mulheres anteriormente e tenham ouvido o nome do Buda da Medicina da Radiância do Puro Cristal, se o receberem de coração aberto e o respeitarem, não mais terão a forma feminina.Manjushri, no momento de sua iluminação e em virtude do poder de seus votos originais, o Buda da Medicina da Radiância do Puro Cristal foi capaz de ver numerosos seres sencientes passando por várias formas de enfermidade, como definhamento, febre amarela e desorientação causada por práticas mágicas. Ele também observou seu sofrimento devido a mortes prematuras ou falecimentos inesperados e violentos.Desejando aliviar as dores e as doenças de tais seres, assim como dar-lhes o que buscavam, ele entrou, naquele momento, no samadhi denominado ”Eliminando o sofrimento e a agitação de todos os seres”. Ao entrar em absorção meditativa, uma grandiosa luz emanou do alto de sua cabeça. Imerso nessa luminosidade, o Buda recitou uma grandiosa darani: Namas Bhagavat BhaishajyaguruVaidurya Prabha Raja TathagataArhat Samyaksambuddha TadyathaOm Bhaishajya BhaishgajyeBhaishajya Samudate Svaha. Tendo esse mantra sido pronunciado em meio a tão grandiosa luz, a Terra começou a tremer e emanou intenso brilho. Todas as enfermidades e sofrimentos dos seres sencientes foram curados, e eles desfrutaram pleno conforto corporal e mental.Manjushri, caso vejas homens e mulheres sofrendo enfermidades, assiste-os com coração e mente devotados, dando-lhes banho, limpando sua boca e ministrando-lhes alimentos, medicamentos ou água que tenham sido purificados por 108 recitações dessa darani. Com isso, seus males e sofrimentos serão extintos. Se porventura desejarem algo, isso será conseguido pela recitação sincera do Darma. Assim, desfrutarão vida longa, livre de doenças. Depois de finda sua vida, renascerão no mundo do Buda da Medicina, onde, sem nenhum retrocesso, avançarão diretamente rumo à iluminação suprema.Manjushri há homens e mulheres que, com sinceridade, determinação e respeito, fazem oferendas ao Buda da Medicina da Radiância do Puro Cristal e regularmente praticam esse darani sem negligência ou esquecimento. Há também homens e mulheres de pura fé que têm a chance de ouvir e de recitar todos os nomes do Buda da medicina da Radiância do Puro Cristal. Eles mascam o graveto que limpa os dentes, enxáguam a boca e banham o corpo antes de oferecer flores perfumadas, incenso e diferentes tipos de música devocional à imagem do Buda da Medicina. Existem ainda aqueles que decoram ou copiam o sutra, que ensinam os outros a transcrevê-lo, que ouvem o sutra e compreendem seu significado, devotando-se a ele de todo o coração. Se houver um monge que tenha se dedicado a ensinar a prática do Buda da Medicina, a ele deve ser oferecido tudo que necessitar para sua subsistência, garantindo-se que a esse professor nada falte.Todos os que foram aqui mencionados, como conseqüência de seus atos, serão protegidos e viverão com a consciência de todos os Budas; tudo o que desejarem lhes será oferecido no caminho da iluminação.Naquele momento Manjushri dirigiu-se ao Buda:- Mundialmente Honrado, no período do Darma Aparente, juro empregar vários meios hábeis para possibilitar que todos os bons homens e mulheres de pura fé ouçam os nomes do Mundialmente Honrado Buda da Medicina da Radiância do Puro Cristal. Mesmo que em sono profundo, eles despertarão para a verdade ao ouvir esse som em seus ouvidos.Também possibilitarei que este sutra seja mantido por vários meios hábeis, como recitação, explicação de seu significado profundo, prática individual de transcrição ou ensino de transcrição. Outros meios incluem fazer respeitosas homenagens ao próprio sutra, começando pela limpeza e purificação do ambiente e chegando a preparação de um local elevado para servir de altar onde ele possa ser colocado. Providenciarei envoltório de seda pintalgada nas cinco cores dentro do qual o sutra ficará protegido, e as oferendas poderão incluir fragrâncias de flores em pasta, pó, incenso, assim como guirlandas de pedras preciosas e jade, sombrinhas, bandeirolas e música devocional. Ao término das oferendas, os Quatros Reis Celestiais e seu cortejo de centenas de milhares de seres celestiais comparecerão ao local e oferecerão sua proteção.Mundialmente Honrado, qualquer local onde este precioso sutra se fizer presente estará livre da ocorrência de mortes violentas, em razão da virtude dos votos originais do Buda da Medicina da Radiância do Puro Cristal, pelo fato de serem ouvidos os seus nomes e devido à consagração deste sutra. Aqueles que moram na área serão protegidos contra a apropriação de sua energia vital por fantasmas. Quem dessa forma tiver sido privado dela receberá de volta sua energia vital e gozará de paz corporal e mental.O Buda então respondeu a Manjushri:- Isso mesmo Manjushri, é como dizes: homens e mulheres de pura fé que desejarem fazer oferendas ao Mundialmente Honrado Buda da Medicina da Radiância do Puro Cristal primeiro irão colocar a imagem do Buda em local limpo e tranqüilo, cercá-la de várias flores, incenso perfumado e flâmulas e bandeirolas coloridas.Durante sete dias e noites, deverão observar os Oito Preceitos, fazer dieta vegetariana, banhar-se para que o corpo fique limpo e perfumado, e vestir roupas limpas. A mente deverá estar livre de perturbações, raiva, desejo de lesar, de modo a permitir o surgimento de uma mente benfazeja, que dirija paz, bondade amorosa, compaixão, alegria, equanimidade e igualdade a todos os seres sencientes. Além de caminhar ao redor da estátua do Buda na direção horária, tocando tambor e entoando canções de jubiloso louvor, eles deverão contemplar os votos de grande virtude do Buda, estudar e recitar este sutra, ponderar sobre os significados e falar para revelar o ensinamento profundo. Se essas práticas puras forem seguidas, todos os seus desejos serão realizados. Aqueles que buscam a longevidade a terão. Quem desejar um cargo no governo o alcançará. Todos os que quiserem abundante riqueza a receberão. Quem almejar o nascimento de um filho homem ou de uma filha mulher terá seus desejos realizados.Se repentinamente alguém começar a ter pesadelos ou a ser perseguido por aparições, passar a ver agourenta reunião de pássaros estranhos ou perceber a ocorrência de vários fenômenos anormais ao redor de sua casa, basta que essa pessoa ofereça vários objetos bonitos, feitos de finos materiais, para que todos esses maus presságios desapareçam sem causar nenhum dano. Aqueles que tiverem medo por causa de inundações, incêndios, calamidades ou guerras, experiências próximas à morte ou animais selvagens como elefantes, leões, tigres, lobos, ursos marrons, serpentes venenosas, escorpiões, lacraias, centopéias, mosquitos e moscas picantes, quando contemplarem o Buda com devoção e respeitosamente lhe fizerem oferendas, verão que todos os temores desaparecerão. Caso o medo seja causado por invasão realizada por outros países, rebeliões internas ou atividades de bandidos e criminosos, a contemplação respeitosa do Buda aliviará esses temores.Mais ainda, Manjushri. Suponha que haja bons homens e mulheres de pura fé que até o momento da morte não tenham seguido o caminho de nenhuma outra fé e tenham se refugiado no Buda, no Darma e na Sanga e observado os vários conjuntos de preceitos, como os Cinco Preceitos, os Dez Preceitos, os Quatrocentos Preceitos do bodhisattva, os Duzentos e Cinqüenta Preceitos do bhikshu e os Quinhentos Preceitos da bhiksshuni. Se acaso violarem algum dos preceitos durante a prática e brotar neles o medo de renascer em um dos três reinos inferiores, poderão garantir que tal não acontecerá concentrando-se na contemplação dos nomes do Buda e fazendo respeitosas oferendas.Uma gestante em meio às dores do parto perderá todos os medos e apreensões se recitar o nome do Buda como oferenda. Devido ao nascimento tranqüilo, o bebê terá a forma e as cinco faculdades perfeitas e completas. Seu semblante será muito agradável e todos se deleitarão ao vê-lo. Essa criança será inerentemente esperta, terá existência pacífica e irá enfrentar poucas enfermidades. Nenhum ser não-humano conseguirá tomar a energia vital dessa criança.Então dirigindo-se a Ananda, o Mundialmente Honrado disse:- Reconheço todas as virtudes do Mundialmente Honrado Buda da Medicina da Radiância do Puro Cristal. Esse estado virtuoso é compartilhado por todos os Budas como resultado de sua profunda prática, mas é de difícil compreensão para as pessoas comuns. E tu, Ananda, acreditas nisso?Ananda respondeu:- Mundialmente Honrado, quanto ao sutra pronunciado pelo Buda, não tenho dúvida nenhuma. E por quê? Porque todas as atividades provenientes do corpo, da fala e da mente do Buda são totalmente puras. Podem o Sol e a Lua cair do céu e a mais alta montanha desmoronar, mas as palavras de todos os Budas não se alterarão. Mundialmente Honrado, existem muitos seres ainda não dotados das raízes da fé. Depois de ouvir a exposição sobre o estado profundo compartilhado por todos os Budas, esses questionam por que benefícios tão extraordinários seriam desfrutados por alguém que simplesmente tenha contemplado e recitado os nomes do Buda da Medicina da Radiância do Puro Cristal. Em razão dessa falta de confiança, chegam até a se engajar em calúnias. Conseqüentemente, permanecem na interminável treva da ignorância, perdendo a oportunidade de receber grandes benefícios e felicidade e caindo repetidamente nos vários mundos inferiores.O Buda disse a Ananda:- Quanto a esses seres sencientes em particular, se ouvirem os nomes do Mundialmente Honrado Buda da Medicina da Radiância do Puro Cristal e os consagrarem sem dúvida ou hesitação, poderão despreocupar-se e sequer pensar em cair para os planos inferiores de existência. Essa é a prática extremamente profunda de todos os Budas, Ananda, embora para a maioria seja difícil de acreditar e compreender. A sua própria compreensão disso, Ananda, também pode ser creditada ao poder das práticas dos Budas. Todos os shravakas, pratyeka-buddhas e bodhisattvas que ainda não ascenderam ao primeiro dos dez estágios da evolução de bodhisattva ainda não são capazes de compreender a verdadeira natureza desta prática. Apenas os bodhisattvas que se tornarão Budas na próxima vida já a entendem de fato. O nascimento em forma humana é raro, Ananda. A fé na Jóia Tríplice tampouco é fácil de ser encontrada. Contudo, ainda mais difícil de alcançar é a oportunidade de ouvir os nomes do Mundialmente Honrado Buda da Medicina da Radiância do Puro Cristal, que praticou ilimitadas disciplinas espirituais de bodhisattva, além de ter desenvolvido inumeráveis e maravilhosos meios hábeis e de ter cumprido muitos votos grandiosos. Se eu fosse discorrer sobre as disciplinas, os meios hábeis e os votos desse Buda, o tempo de um kalpa ou mais não bastaria para descrevê-los completamente, porque são vastos e ilimitados.Depois disso, o grandioso Bodhisattva do Auxílio Salvador levantou-se na platéia. Despindo o ombro direito e apoiando o joelho direito no chão, uniu as palmas das mãos e respeitosamente dirigiu-se ao Buda dizendo:- Mundialmente Honrado grande e virtuoso, haverá muitos seres sencientes aprisionados por sofrimentos e adversidades durante o Período do Darma Aparente. Passarão por longas fases de enfermidade, ficando cada vez mais fracos e debilitados. Incapazes de comer e beber, seus lábios e garganta ficarão ressecados. Para onde quer que olhem, verão apenas trevas e exibirão todos os sintomas da morte iminente. Seus pais, familiares e amigos se juntarão ao seu redor, gemendo e chorando. Contudo, sem notar a preocupação de seus entes queridos, os moribundos estarão vendo o mensageiro que se aproxima para levá-los à presença do Rei do Julgamento do Inferno. Logo em seguida, eles se lembrarão claramente de seus atos, bons e maus, e os registrarão em uma lista a ser entregue ao Rei do Julgamento do Inferno, que então os interrogará. Enfim, pesando suas boas e más ações, ele dará a sentença adequada para a sua vida futura. Nesse momento, se os pais, familiares e pessoas que assistem o doente se refugiarem no Mundialmente Honrado Buda da Medicina da Radiância do Puro Cristal, solicitarem a recitação deste sutra a muitos monges, acenderem sete fileiras de lamparinas, pendurarem bandeirolas da longevidade de cinco cores ou realizarem práticas semelhantes em seu nome, a consciência do doente poderá voltar depois de sete, 21, 35 ou 49 dias. Esse retorno será como o despertar depois de um sonho. Após essa experiência, o doente se lembrará de todas as suas boas e más ações, assim como da retribuição cármica, comprovando por si mesmo o vínculo entre a causa e o efeito. A partir de então, não mais se envolverá com atividades que criem carma negativo. Portanto, todos os bons homens e mulheres de pura fé devem consagrar os nomes do Buda da Medicina da Radiância do Puro Cristal e, de acordo com as possibilidades, fazer a ele respeitosas oferendas.Nesse momento, Ananda perguntou ao Bodhisattva do Auxílio Salvador:- Como devem ser feitas as oferendas ao Buda? E ainda: no que diz respeito às bandeirolas e lamparinas da longevidade, como devem ser realizadas as atividades desse tipo?O Bodhisattva do Auxílio Salvador respondeu então:- Grande Virtuoso, se houver doentes buscando alívio para seu sofrimento, aqueles que com eles se importam podem, em seu nome, observar os Oito Preceitos por sete dias e sete noites. Na medida de suas possibilidades, oferecerão alimentos, bebidas ou posses materiais aos monges. Ao longo do dia, poderão reverenciar o Mundialmente Honrado Buda da Medicina da Radiância do Puro Cristal e fazer-lhe oferendas, recitar este sutra 49 vezes e acender 49 lamparinas. Construir sete imagens do Buda e colocar sete lamparinas na frente de cada uma. O brilho de cada lamparina deve assemelhar-se à grande circunferência de uma roda, mantendo-se o brilho radiante durante 49 dias sem permitir que se apague. Confeccionar as esplêndidas bandeirolas da longevidade de cinco cores, cada qual formada por 49 seções de três dedos de comprimento. Além disso, podem libertar 49 seres vivos de diferentes espécies. Graças a essas atividades, os doentes recebem ajuda para vencer o perigo e o sofrimento e ficam livres da ameaça de se tornar reféns de um espírito maligno.Além disso, Ananda, se epidemias, invasões, rebeliões internas, mudanças estranhas nas constelações, eclipses do Sol e da Lua, ventos e chuvas extemporâneos, secas e outras calamidades surgirem em um país, seu governante deve fazer surgir o coração e a mente da compaixão em todos os seres sencientes e conceder indulto a todos que estiverem encarcerados. Com relação ao que sugeri anteriormente sobre oferendas, eles também poderão fazê-las ao Mundialmente Honrado Buda da Medicina da Radiância do Puro Cristal em nome de todos os seres sencientes. As boas raízes e o poder dos votos originais do Buda permitirão que aquele país volte rapidamente a alcançar a paz e a estabilidade. Os ventos e as chuvas chegarão de acordo com as estações e a colheita será abundante. Todos os seres sencientes ficarão livres de doenças e viverão felizes. Nessa nação, não haverá mal ou violência. Yakshas, demônios, outros espíritos que maltratam os seres sencientes e todos os fenômenos maléficos desaparecerão instantaneamente. Pelo fato de realizar atividades para o bem da população, o governante permanecerá cheio de energia e desfrutará de longa vida desprovida de enfermidades, em perfeita tranqüilidade.Ananda, se o rei, a rainha, as consortes do rei, o príncipe, os altos escalões, primeiros-ministros, serventes do palácio, autoridades ou o povo em geral estiver atingido por doenças ou outras dificuldades, será preciso confeccionar bandeirolas da longevidade de cinco cores, acender as lamparinas votivas. Deve-se liberar vários seres sencientes, espalhar flores coloridas e queimar vários tipos de incenso. Assim, vão se recuperar das enfermidades que sofreram e serão libertados de muitas dificuldades.Ananda voltou a dirigir uma pergunta ao Bodhisattva do Auxílio Salvador:- Bom homem, como é que uma vida que já está prestes a acabar pode ter sua duração estendida e ser beneficiada por essas diversas práticas?O Bodhisattva do Auxílio Salvador respondeu:- Grande Virtuoso, já não conheces os nove tipos de morte desafortunada sobre os quais falou o Buda? Por isso recomendo que confeccionem as bandeirolas da longevidade, acendam lamparinas e cultivem as várias bênçãos e virtudes, para que ninguém tenha de passar por sofrimento na vida.Ananda indagou então:- Quais são os nove tipos de morte desafortunada?O Bodhisattva do Auxílio Salvador explicou:- Digamos, por exemplo, que haja seres sencientes sofrendo de doenças sem gravidade, mas não disponham de médicos, remédios ou cuidados. Mesmo que acabem por encontrar um médico, é-lhes receitado o medicamento errado. Como a doença não é grave, não se espera que morram, mas, infelizmente, morrem.Alguns desses seres, acreditando em práticas mágicas e heréticas nocivas, procuram mestres maléficos que, com arrogância , fazem previsões de catástrofes ou de sorte grande. Com base nisso, a vida deles se torna instável e cheia de medo, enquanto seu coração e sua mente se voltam para a direção errada. Inseguros, procuram métodos de adivinhação para prever os desastres e abatem diferentes seres sencientes em rituais de sacrifício para pedir bênção e a proteção de divindades e espíritos de montanhas e rios. Apesar de almejarem prolongar sua vida, acabam descobrindo que isso não é possível. Em razão de sua estupidez e confusão, seus pontos de vista são invertidos e subseqüentemente sofrem morte desafortunada. Renascem no inferno sem esperança de liberação. Esse é o primeiro tipo de morte desafortunada.O segundo tipo é a execução prescrita pela aplicação das leis vigentes em determinado país. O terceiro tipo resultado de um estilo de vida complacente em que a pessoa caça por prazer, farreia, embebeda-se e entrega-se a comportamento libertino e desregrado. Por essa futilidade sem limites, sua morte advém mediante roubo de energia vital realizado por seres não-humanos. Morrer queimado é o quarto tipo de morte desafortunada. O quinto tipo é a morte por afogamento. Ser devorado por animais selvagens é o sexto tipo. O sétimo tipo de morte desafortunada é pela queda de um precipício. O oitavo tipo é a morte causada por veneno, maldição, encantamento ou por um morto-vivo. O nono tipo de morte desafortunada é a causada por fome extrema que não encontra alívio. Essas são as mortes desafortunadas sobre as quais o buda falou brevemente. São nove os tipos aqui mencionados, mas há muitos outros, sendo difícil listá-los todos.Portanto, Ananda, cabe ao Rei do Julgamento do Inferno cuidar do registro de boas e más ações. Seres sencientes que não respeitem seus pais ou cometam uma das cinco violações, que prejudiquem ou caluniem a Jóia Tríplice, que infrinjam as leis de seu país ou transgridam os Cinco Preceitos terão seus atos pesados e avaliados pelo Rei do Julgamento do Inferno, que os punirá correspondentemente. É por isso que agora aconselho todos os seres sencientes a acender lamparinas, confeccionar bandeirolas da longevidade e cultivar méritos pela prática de libertar seres cativos para que possam passar sem dificuldades pelo sofrimento e pela fadiga.Participavam da assembléia, naquela ocasião, doze generais yakshas,. Estavam presentes desde o início. Seus nomes eram: General Kumbhira General Indra General Vajra General VajraGeneral Mihira General Sgrahdsin General Andira General SinduraGeneral Anila General Catura General Shandira General Vikarala Esses doze generais yakshas, cada qual com seu séquito de sete mil integrantes, elevaram a voz em louvor de Buda, dizendo:- Finalmente! Em virtude das bênçãos do poder onisciente do Buda, podemos agora ouvir os nomes do Mundialmente Honrado Buda da Medicina da Radiância do Puro Cristal e deixar de temer os três mundos inferiores. Nós, de comum acordo, nos refugiamos no Buda, no Darma e na Sanga por toda a vida sob a forma atual. Juramos nos responsabilizar por todos os seres sencientes e trabalhar pelo seu bem. Em decorrência disso, haverá abundante paz e alegria. Seremos os protetores de aldeias, vilas, cidades, países, florestas e de todos os lugares que conheçam este sutra, assim como todos os seus habitantes que consagrem os nomes do Buda da Medicina da Radiância do Puro Cristal e a eles façam oferendas respeitosas. Todos encontrarão alívio para seus sofrimentos e aflições; e todos os desejos existentes serão realizados. Quem buscar alívio para uma doença específica ou para uma situação particularmente difícil deve simplesmente recitar este sutra. Utilizando as bandeirolas de cinco cores, façam um nó para cada um de nossos nomes. Depois de realizados os seus desejos, poderão desatar os nós.Naquele momento, o Mundialmente Honrado enalteceu os generais yakshas, dizendo:- Excelente! Muito bem! Vosso desejo de proteger todos os seres sencientes e de lhes propiciar felicidade e paz é uma forma adequada de expressar gratidão ao Buda da Medicina da Radiância do Puro Cristal.Então, Ananda perguntou ao Buda:- Mundialmente Honrado, de agora em diante, como devemos nos referir a esta prática do Darma e como preservá-la respeitosamente?O Buda respondeu a Ananda, dizendo:- Esta prática do Darma é chamada de “Memórias, Virtudes e Votos Originais do Buda da Medicina da Radiância do Puro Cristal”. Também pode ter como denominação “Poderoso Mantra e Propósito Combinado dos Doze Generais Yakshas para Beneficiar os Seres Sencientes”. Ou, ainda, “Prática da Remoção de Todos os Obstáculos Cármicos”. Assim ela deve ser chamada e preservada.Quando o Bhagavan terminou de pronunciar essas palavras, a assembléia de bodhisattvas e mahasattvas, shravakas, reis e respectivos súditos, brâmanes, leigos, nagas, yakshas, gandharas, ashuras, garudas, kinnaras, mahoragas, seres humanos, não-humanos e todos ali reunidos se rejubilou com o que ouvira e recebeu com fé tais ensinamentos e práticas. Namas Bhagavat Bhaishajyaguru Vaidurya Prabha RajaTathagata Arhat Samyaksambuddha Tadyatha Om Bhai shajyaBhaishgajye Bhaishajya Samudgate Svaha. (três vezes)

segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Sempre zen...

Charlotte Joko Beck
Minha cadela não se preocupa com o significado da vida. Ela pode se preocupar em receber ou não a refeição pela manhã, mas não se senta preocupada em conseguir ou não a realização, a libertação, a iluminação. Desde que receba um pouco de comida e afeto, a vida lhe corre bem. Porém nós, seres humanos, não somos como os cães. Temos mentes centradas em si mesmas que nos remetem a muitos
problemas. Se não entendermos o equívoco em nossa forma de pensar, nossa autopercepção, que é nossa maior bênção, torna-se também nossa perdição.

Se eu lhes dissesse que sua vida já é prefeita, completa e inteira exatamente do jeito que está, vocês pensariam que estou maluca.

Se eu pudesse raspar o verniz e ir um pouco mais fundo do que do que a superfície de qualquer pessoa, encontraria medo, dor e uma ansiedade desvairada.

Com o tempo, o meio de acabarmos enxergando sua irrealidade está em apenas deixar correr o filme. Depois de o assistirmos umas quinhentas vezes, sem dúvida, ele acaba se tornando monótono.

(...) opiniões, julgamentos, devaneios a respeito do futuro, noventa por cento dos pensamentos que giram em nossa mente não tem qualquer realidade essencial.

O mestre não está ali só para ser simpático conosco.

O que na verdade existe num sesshim zen é muito cansaço, tédio e dor nas pernas. O que aprendemos com o ficar obrigatoriamente sentados em silêncio suportando todo esse desconforto, é tão valioso que, se não existisse, deveria ser criado. Quando sentimos dor não entramos na vertigem mental. Temos que ficar com a dor. Não há para onde ir. De modo que a dor é, na realidade, muito valiosa.

Buda nada mais é do que aquilo que você é exatamente agora: ouvir os carros, sentir a dor nas pernas, ouvir minha voz. Isso é Buda.


quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Adversidades

"Se sua compaixão não inclui você, ela é incompleta."
Três horas da madrugada.
Há momentos em minha vida em que os problemas e perplexidades me deixam tão atônita que, se não fossem os Budas e Bodisatvas a quem presto homenagem, a quem abraço efusiva e afetuosamente, não sei qual seria minha atitude, não sei se teria forças para prosseguir resoluta, perseverante, firme e constante.

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Dzongsar Jamyang Khyentse

"A visão que atualmente predomina sobre o budismo está repleta de estereótipos, fantasias e malentendidos. Em 'O Que Faz Você Budista' o mestre tibetano Dzongsar Jamyang Khyentse sintetiza a essência do budismo em quatro princípios básicos, cada um dos quais representa um desafio para o leitor: Você pode aceitar de que todas as coisas são impermanentes? Pode aceitar que todas as emoções conduzem ao sofrimento e que nenhuma emoção é totalmente prazeirosa? Pode aceitar que todos os fenômenos são ilusórios e vazios? Pode aceitar que o despertar está além  de todos os conceitos e não é outra coisa que a liberação da ignorância? Segundo Khyentse, só quando você for capaz de responder a estas perguntas com um inequívoco 'sim', você pode considerar-se um verdadeiro budista. Neste livro provocante, um dos lamas budistas tibetanos mais inovadores nos anima a examinar nossas crençase pressupostos mais profundos e, mais uma vez, nos convida a explorar a senda do verdadeiro budismo."

sábado, 9 de novembro de 2013

Soria Para o Medo - de Chögyam Trungpa Rinpoche - Pequenas marcações.


"Quando somos ameaçados, é muito fácil reagirmos com raiva. Quando somos agredidos, queremos devolver a agressão."

"Não tendo nada a perder, não podemos ser derrotados, Não tendo nada a temer, não podemos ser dominados."

"Se você tem medo de se enxergar, talvez utilize a espiritualidade ou a religião como uma forma de se olhar sem na verdade enxergar absolutamente nada sobre si."

"A condição de guerreiro aqui refere-se à coragem e ao destemor fundamentais."

"Precisamos abandonar a noção de um salvador divino, o que não tem nada a ver com qualquer religião que tenhamos, mas refere-se à ideia de quelguém ou algo que irá nos salvar sem que precisemos passar por qualquer sofrimento."

"Se você está mesmo interessado em se trabalhar, não pode permitir esse tipo de vida dupla, adotando ideias, técnicas e conceitos de todos os tipos, simplemente para fugir de si mesmo. Isto é o que chamamos de materialismo espiritual: a esperança de que você possa ter um bom sono, sob o efeito de sedativos e que, ao acordar, tudo estará resolvido, tudo estará curado. Assim, você não terá que passar por qualquer sofrimento ou problema."

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Meditação e o hábito de fumar.


In English: http://www.wildmind.org/blogs/on-practice/is-your-meditation-smoking-2

Quando eu estava ensinando meditação na Universidade de Montana tive uma aluna chamada Connie que estava muito preocupada com seu hábito de fumar. Na minha juventude, eu às vezes usei baseados ​​para fumar em festas e às vezes eu até comprei tabaco para que eu pudesse fazer o meu próprio e não depender de outras pessoas o tempo todo. Mas eu nunca fiquei viciado e por isso eu não tinha nenhuma experiência que eu pudesse compartilhar em desistir da erva do mal. Mas eu encorajo as pessoas a estarem atentas, e então, eu sugeri que ela realmente prestasse atenção às sensações e padrões mentais que surgiam cada vez que ela estava fumando um cigarro . Parecia uma tentativa difícil, mas era tudo que eu tinha.

Ela relatou que depois de ouvir esta sugestão, ela estava fumando muito menos. Levou mais tempo para fumar cada cigarro, e era menos provável que acendesse outro de novo imediatamente depois de terminar um cigarro. Eu me lembro que ela disse que também estava mais consciente do dissabor de fumar.

Enfim, lembrei-me de quando me deparei com uma anedota onde um fumante se aproxima de um monge budista para um conselho:

Um jovem que está em retiro e faz uma pergunta ao monge superior durante a entrevista da meditação diária.

"Eu sinto um grande desejo pelo tabaco. Estaria tudo bem se eu fumar quando eu meditar?”, ele pergunta.

O monge superior fica chocado com a sugestão e dá ao jovem um sermão sobre a necessidade de praticar a atenção plena .

No dia seguinte, o jovem retorna com outra pergunta.

"Já que eu gasto muito tempo fumando, eu estava pensando, você acha que estaria tudo bem se quando estou fumando, eu posso fumar conscientemente e transformar isso em uma prática de meditação?”

O monge superior pensou que esta era uma sugestão muito criativa e deu ao jovem a sua bênção.

Claro que, a partir de um ponto de vista o resultado é o mesmo, se você fuma durante a meditação ou medita enquanto fuma.

A razão pela qual esta história funciona é porque a palavra “meditação” está sendo usada de duas formas diferentes. O monge  inicialmente ouviu a palavra meditação como se referindo a uma atividade formal em que um esforço está sendo feito para trazer a mente a um ponto de concentração e no qual estados mentais distraídos estão sendo levados embora. Um desses estados mentais distraídos que estão sendo levados é o desejo, e então a ideia de fumar durante a meditação é um anátema. Para fumar durante a meditação (neste sentido) significaria ceder ao desejo ao invés de dar-se ao desejo.

Na segunda vez das conversas sobre meditação, o fumante coloca-as no contexto das atividades diárias, e a palavra significa algo mais como “uma abordagem atenta a tudo o que você faz”.

Se vamos fazer as coisas que envolvem o desejo, como o tabagismo, então é um passo em frente para fazê-lo com mais atenção. Mas não seria um passo em frente para tomar algo como meditação sentada e introduzir uma atividade como o tabagismo. Tome a meditação adicionando o ato de fumar, e você está indo na direção do desejo. Tome fumar adicionando a meditação, e você está indo na direção da consciência e não do desejo.

Mas isso funciona como uma técnica para reduzir a dependência do tabaco? Na verdade, sim. Uma pessoa me escreveu da Austrália para partilhar a sua experiência de trabalho em uma unidade de reabilitação de drogas.

Eu tenho ensinado esta técnica em um grupo para ajudar os clientes a trazer a consciência do vício de fumar e dependência comportamental nos últimos cinco anos. Tem sido um grande sucesso com muita gente desistir e se não, certamente trazendo uma grande quantidade de consciência de comportamento. Também aplicamos esta prática quando falamos sobre como mudar os padrões de comportamento no uso de drogas.

E um estudo recente mostrou que a meditação reduz o consumo de tabaco em 60%.

Daily Purification: A Short Vajrasattva Practice - Kyabje Lama Zopa Rinpoche


Vajrasattva (Tib. Dordje Sempa) with consort (Tib. Dordje Niema)

By Kyabje Lama Zopa Rinpoche at Soquel, CA USA 1999 (Archive # 1055, Last Updated Nov 1, 2011)
Just Reprinted!

In Liberation in the Palm of Your Hand Pabonka Rinpoche explains how the great Atisha would purify any negativity, no matter how small, immediately. Even in public or when riding his horse, as soon as he noticed a breach of his ethics, he would stop what he was doing, drop to one knee and then and there, purify it with the four opponent powers—the powers of dependence, regret, remedy and restraint. Atisha practiced purification in this way because of his deep realization of the psycho-mechanics of negative karma, especially its four fundamentals: negative karma is certain to bring suffering; it multiplies exponentially; if eradicated, it cannot bring its suffering result; and once created, it never simply disappears. Through the study and practice of Dharma, we should try to attain Atisha’s level of understanding. In the meantime, we should try to practice as he did. Therefore, out of his great compassion, Lama Zopa Rinpoche has composed this short Vajrasattva practice and requested that it be published in a pocket-sized format that is easy for people to carry round and have available at all times. Thus, we can be like the great Atisha—whenever we notice we have broken a vow or created any other kind of negative karma, we can whip out our little Vajrasattva book and purify that negativity with the four opponent powers without a second’s delay.

The Power of Dependence

Taking Refuge
"I forever take refuge in Buddha, Dharma and Sangha,
I take refuge in all the three vehicles,
In the dakas and dakinis of secret mantra yoga,
In the heroes and heroines, the gods and goddesses
And in the bodhisattvas of the ten bhumis.
But most of all, I take refuge in my holy guru forever." (3x)

The Power of Regret

First recall the definition of negative karma: any action that results in suffering, usually an action motivated by
ignorance, attachment or aversion.
"Almost every action I do, twenty-four hours a day, is motivated by worldly concern, attachment to the comfort of this life. It is like this from birth to death in this life and has been like that from beginningless rebirths. Nearly every action I have ever created has been non-virtuous, the cause of suffering. Not only that, but continuously I have also been breaking my pratimoksha, bodhisattva and tantric vows. Worst of all, I have created the heaviest of negative karmas in relation to my virtuous friends-getting angry at them, generating wrong views, having non-devotional thoughts towards them, harming their holy body and disobeying their advice. Having these negative imprints on my mental continuum is unbearable. It's as if I've swallowed a lethal poison. I must practice the antidote right away and purify all this negative karma immediately, without a second's delay." In this way, generate strong feelings of urgency and regret.

Remembering Impermanence and Death

"Many people my age or younger have died. It's a miracle that I'm still alive and have this incredible
opportunity to purify my negative karma. Death is certain but its time is most uncertain. If I were to die right
now, I would definitely be born in the lower realms. Because I could not practice Dharma there I would remain in the lower realms for countless eons. Therefore, how unbelievably fortunate I am to be able to purify my negative karma right now, without even a second's delay, by practicing the Vajrasattva meditation-recitation."

Generating Bodhicitta

"But I am not practicing this Vajrasattva purification for myself alone-the purpose of my life is to release all
hell beings, pretas, animals, humans, asuras, suras and intermediate state beings from all their suffering and
its causes and lead them to unsurpassed enlightenment. In order to do this I must first reach enlightenment
myself. Therefore, I must purify all my negative karma immediately by practicing the Vajrasattva
meditation-recitation."

Visualization

"Above the crown of my head, seated upon a lotus and moon seat, are Vajrasattva father and mother. Their
bodies are white; each has one face and two arms. He holds a dorje and bell, she a curved knife and skull
cup. They are embracing each other. The father is adorned with six mudras, the mother with five. He sits in
the vajra posture, she in the lotus. Vajrasattva is my root guru, the holy mind of all the buddhas, the dharmakaya, who out of his unbearable com-passion, which embraces me and all other sentient beings, appears in this form to purify me and all others."

In this way, your mind is transformed into guru devotion-the root of all blessings and realizations of the path to enlightenment.

"On a moon disc at Vajrasattva's heart stands a hum encircled by a garland of the hundred syllable mantra. A powerful stream of white nectar flows from the hum and mantra garland and I am cleansed of all sickness, spirit harm, negative karma and obscurations."

The Power of the Remedy: Mantra Recitation

om vajrasattva samaya
manupalaya, vajrasattva denopa titha,
dido me bhava, suto kayo me bhava, supo kayo me bhava,
anurakto me bhava, sarva siddhi me prayatsa,
sarva karma su tsame, tsittam shriyam kuru hum,
ha ha ha ha ho, bhagavan
sarva tathagata, vajra mame muntsa,
vajra bhava maha samaya sattva ah hum phet

The meaning of the mantra

You, Vajrasattva, have generated the holy mind (bodhicitta) according to your
pledge (samaya). Your holy mind is enriched with the simultaneous holy actions of releasing transmigratory
beings from samsara (the circling, suffering aggregates). Whatever happens in my life-happiness or suffering,
good or bad-with a pleased, holy mind, never give up but please guide me. Please stabilize all happiness,
including the happiness of the upper realms, actualize all actions and sublime and common realizations, and
please make the glory of the five wisdoms abide in my heart.

Recite the mantra seven or twenty-one times or as many times as possible, practicing the three techniques of
downward cleansing, upward cleansing and instantaneous cleansing.

Generating Faith in Having Been Purified

"From the crown of my head, Guru Vajrasattva says, 'Son of the race2, your negativities, obscurations and
broken and damaged pledges have been completely purified.'"
Generate strong faith that they have been completely purified just as Guru Vajrasattva has said.
The power of Refraining from Creating Negativities Again
"Before Guru Vajrasattva, I vow never again to commit those negative actions from which I can easily abstain and not to commit for a day, an hour or at least a few seconds those negative actions from which I find it difficult to abstain."

Absorption

Guru Vajrasattva is extremely pleased with your pledge. Vajrasattva father and mother melt into light and
dissolve into you. Your body, speech and mind become inseparably one with Guru Vajrasattva's holy body,
speech and mind.

Dedication

"In emptiness, there is no I, creator of negative karma; there is no action of creating negative karma; there is
no negative karma created."
Place your mind in that emptiness for a little while. In this way, look at all phenomena as empty-they do not
exist from their own side. With this awareness of emptiness, dedicate the merits.
"Due to all the merits of the three times collected by me, buddhas, bodhisattvas and all other sentient beings
(which appear to be real, from there, but which are empty), may the I (which appears to be real but is empty) achieve Guru Vajrasattva's enlightenment (which appears to be real but is empty) and lead all sentient beings (who appear to be real but are totally empty) to that enlightenment (which appears to be real but is empty) by myself alone (which appears to be real but is also totally empty, non-existent from there).

"May the precious bodhicitta, the source of all happiness and success for myself and all other sentient
beings, be generated within my own mind and in the minds of all sentient beings without even a second's
delay; and may that which has been generated be increased. May I and all other sentient beings have Lama Tsongkhapa as our direct guru in all our lifetimes, never be separated for even a second from the pure path that is greatly praised by the conqueror buddhas, and actualize the complete path-the three principal paths and the two stages of Highest Yoga Tantra-the root of which is guru devotion, within our minds as quickly as possible. Just as the brave Manjushri and Samantabhadra realized things as they are, I dedicate all these virtues in the best way, that I may follow after them. Whatever dedication the three time victorious ones gone to bliss have admired as best, in the same way, I also perfectly dedicate all these roots of virtue so that I may perform good works."
ཨོཾ་བཛྲ་སཏྭ་ས་མ་ཡ་མ་ནུ་པ་ལ་ཡ།
བཛྲ་སཏྭ་ཏྭེ་ནོ་པ་ཏིཥྛ།
དྲྀ་ཌྷོ་མེ་བྷ་བ།
སུ་ཏོ་ ཥྱོ་མེ་བྷ་བ།
སུ་པོ་ ཥྱོ་མེ་བྷ་བ།
ཨ་ནུ་ར་ཀྟོ་མེ་བྷ་བ།
ས་རྦ་སི་དྡྷི་མེ་པྲ་ཡ་ཙྪ།
ས་རྦ་ཀ་རྨ་སུ་ཙ་མེ ཙི་ཏྟཾ༌ཤེ་ཡཿ་ཀུ་རུ་ཧཱུྂ།
ཧ་ཧ་ཧ་ཧ་ཧོཿ
བྷ་ག་བ་ན
ས་རྦ
ཏ་ཐཱ་ག་ཏ་བཛྲ་མཱ་མེ་མུ་ཉྩ།
བཛྲཱི་བྷ་བ་མ་ཧཱ་ས་མ་ཡ་སཏྭ
ཨཱཿ །། ཧཱུྂ ཕ་ཊ

oṃ
O Vajrasattva honour the agreement!
Reveal yourself as the vajra-being!
Be steadfast for me!
Be very pleased for me!
Be fully nourishing for me!
Be passionate for me!
Grant me all success and attainment!
And in all actions make my mind more lucid!
hūṃ
ha ha ha ha hoḥ
O Blessed One, vajra of all those in that state, don't abandon me!
O being of the great contract be a vajra-bearer!
āḥ

(The most excellent exclamation of praise)
Vajrasattva’s Samaya: O Vajrasattva, protect the Samaya
May you remain firm in me
Grant me complete satisfaction
Grow within me (increase the positive within me)
Be loving towards me
Grant me all the siddhis
Show me all the karmas (activities)
Make my mind good, virtuous and auspicious!
(The heart essence, seed syllable of Vajrasattva)
(Symbolises the four immeasurables, the four
empowerments, the four joys, and the four kayas)
(The exclamation of joy at this accomplishment)
O blessed one, who embodies all the Vajra Tathagatas
Do not abandon me
Grant me the realization of the Vajra Nature
O great Samayasattva
Make me one with you

terça-feira, 29 de outubro de 2013

sábado, 26 de outubro de 2013

A Questão Tibetana


Protesto de manifestantes favoráveis à autonomia do Tibet

"O Tibet é uma região localizada ao sudoeste da China cercada por um conjunto de países vizinhos. Índia, Mianmar, Butão e Nepal fazem fronteira com a região sul tibetana. Na parte oeste, faz limite com a conflituosa região de Jammu e Caxemira. Originária de uma antiga dinastia militar, o Tibet, desde o século VII, forma um império pacífico guiado pelos preceitos religiosos budistas. O principal cargo político tibetano é ocupado por um Dalai-lama, que acumula funções religiosas e políticas.
A Revolução Chinesa de 1949 inaugurou os conflitos atuais envolvendo a região do Tibet. A instalação do movimento liderado por Mao Tsé-Tung, buscou reorganizar os costumes e tradições tibetanas em favor dos princípios ideológicos do comunismo maoísta. Em 1951, a assinatura do Acordo dos 17 Pontos, definindo as relações entre China e Tibet, parecia direcionar as questões políticas para uma solução diplomática. No entanto, a orientação militar ofensiva da China arrastou este problema por mais de meio século, tornando a autonomia política do Tibet uma verdadeira incógnita.
Em 1959, o general chinês Chiang Chin-wu convocou o Dalai Lama para acompanhar uma festividade das autoridades chinesas na cidade de Lhasa, capital do Tibet, desde que o mesmo não contasse com nenhum tipo de segurança pessoal. O conhecimento público do estranho convite representou uma ameaça velada à integridade física do líder religioso. Em resposta, o Dalai pediu asilo às autoridades indianas. Esse foi um breve exemplo das tensões que envolveram, no último século, a China e o Tibet.
Ao longo da História, a região do Tibet sofreu com a ocupação de diversos povos e impérios. Na dinastia sino-mongol Yuan (1279-1368), estabelecida pelos reis guerreiros Gengis Khan e Kublai Khan, firmaram-se acordos para que a autonomia política da região fosse preservada. Depois de manter relações mornas com a dinastia Ming (1386-1644), o Tibet contou com a proteção militar chinesa desde a ascensão do culto budista na dinastia Quing (1644-1911).
Com o fim da era imperial chinesa, em 1911, a região tibetana preservou sua independência política. Um dos mais claros exemplos desta soberania foi notado durante os conflitos da Segunda Guerra Mundial. Mesmo com a pressão imposta pelos Aliados (China, França, Inglaterra, União Soviética e Estados Unidos), o governo tibetano recusou-se a permitir a passagem de tropas, material militar e utensílios em seus territórios.
Em 1963, tendo oficialmente ganhado o status de Região Autônoma, o Tibet ainda viveu outras situações de conflito com a China. No fim dos anos de 1980, o massacre na Praça da Paz Celestial e a entrega do prêmio Nobel da Paz ao Dalai-Lama fizeram com que a questão da autonomia do Tibet tivesse repercussão internacional. Entretanto, desde a década de 1990, a China tenta justificar a ocupação ao território devido o crescimento econômico oferecido à região nos últimos dez anos e à presença massiva de chineses da etnia han no local.
No decorrer da política opressiva dos chineses, vários tibetanos passaram a buscar o exílio. Cerca de 120 mil tibetanos vivem em países estrangeiros, sendo que a grande maioria encontra-se em território indiano. As autoridades políticas do Tibet também vivem em situação de exílio. O chamado “governo no exílio” conta com três poderes e tem sua sede fixada na cidade de Dharamshala, região norte da Índia.
A situação do Tibet abarca um confronto de perspectivas contrárias entre autoridades tibetanas e chinesas. Por um lado as autoridades chinesas reivindicam sua intervenção pelo progresso e benefícios materiais concedidos ao Tibet. Em contrapartida, os líderes tibetanos temem que a inflexibilidade política chinesa ameace as tradições religiosas e a liberdade do povo tibetano."

Por Rainer Sousa - Graduado em História

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

FALHAS DE MEMÓRIA SE ACENTUAM NA MEIA-IDADE - SAIBA COMO EVITAR.


IARA BIDERMAN colaboração para a Folha de S. Paulo RACHEL BOTELHO da Folha de S.Paulo
Um: as chaves de casa. Dois: o celular. Três: a agenda. Quatro: a senha do banco. Cinco: o problema. A senha mudou e por nada nesse mundo você consegue se lembrar da combinação de números e letras que deve digitar. Mas lembra-se perfeitamente bem de estar na meia-idade (mais de 40 e menos de 60 anos) e de já ter ouvido que as perdas cognitivas começam nessa fase da vida. Isso é verdade e, mais importante, inexorável?


Segundo Cathryn Jakobson Ramin, autora do livro "Esculpido na Areia" (352 págs, R$ 49,90, ed. Objetiva), lançado recentemente no Brasil, a perda da memória nessa fase da vida é um fato. Ao perceber que sua memória estava falhando bem mais do que o razoável para uma profissional ativa e que acabara de chegar à meia-idade, a jornalista norte-americana decidiu investigar o fato. Após saber que seus amigos também passavam pelo problema, testou métodos e tratamentos para desenvolver essa função cerebral. No livro, ela conta sobre a descoberta de que é possível preservar e até resgatar a memória perdida. Para a fonoaudióloga Ana Alvarez, autora de "Deu um Branco" (144 págs., R$ 22,90, ed. Record), entre a quarta e a quinta década de vida a velocidade para prestar atenção, processar informações simultâneas e acessar lembranças diminui. "Começamos a ter uma perda da capacidade dos órgãos de sentidos. É, por exemplo, o que ocorre com a audição, que “perde" informações, principalmente se há estímulos auditivos simultâneos. O deficit no recebimento das informações resulta em menor fixação na memória." Segundo ela, todo o processo começa junto: a menor velocidade do processamento sensorial e a necessidade de prestar mais atenção quando se está recebendo informações sonoras ou visuais demanda mais esforço para armazenar, fixar e evocar lembranças. "As funções cognitivas perdem velocidade, o processo neural começa a não ser como antes. Mas isso pode ser revertido: é possível criar novas conexões neurais com exercícios específicos e medidas como garantir a qualidade do sono", afirma Alvarez, que trabalha com reabilitação cognitiva de pacientes em São Paulo. "O cérebro é um órgão plástico. Se você o faz trabalhar, criam-se novas conexões neuronais. Isso aumenta a reserva cognitiva do indivíduo, incluindo a memória", diz Katia Osternack, neuropsicóloga e professora da Universidade Anhembi Morumbi. Osternack afirma que, a partir dos 40 anos, já é esperada uma perda sutil da memória, mas medidas de prevenção podem mudar esse curso. Exercitando o intelecto Exercícios cognitivos e físicos, aprender coisas novas, alimentação saudável e controle do estresse são atitudes preventivas que, segundo a neuropsicóloga, deveriam ser tomadas durante toda a vida. Há cerca de um ano e meio, a arquiteta Cândida Tabet, 52, percebeu que, do mesmo modo que exercita o corpo, deveria exercitar o intelecto. "A ideia era prevenir. Quero ser dona de minha inteligência e, para isso, percebi que devia trabalhar a atenção e a memória." Desde então, Cândida inclui em seu dia a dia várias atividades, que vão de jogos de computador a curso de línguas, além de prestar mais atenção ao sono e levar a academia a sério. "O efeito é extraordinário. Fiquei muito mais atenta e rápida para memorizar e lembrar." Para o neurologista Martín Cammarota, um dos coordenadores do Centro de Memória da PUC-RS, os lapsos não ocorrem somente na maturidade, mas é nessa fase que costumam trazer mais consequências. "Isso está relacionado ao ritmo de vida agitado e ao número de coisas que uma pessoa dessa idade tem que fazer", afirma. "De modo geral, o esquecimento relativo a atividades rotineiras é resultado da falta de atenção, que está centrada em problemas considerados fundamentais." O psiquiatra Cássio Bottino, do Instituto de Psiquiatria do HC de São Paulo, avalia que até os 60 anos as pessoas conseguem manter o desempenho da memória bem próximo do que era quando jovens. "Realizamos o projeto Clínica da Memória, aberto para pessoas a partir dos 18 anos. O que vimos é que, abaixo dos 60, a maioria que tinha queixas sobre a memória não tinha alterações. O que havia era muita ansiedade em relação ao desempenho." Bottino acredita que, em geral, as dificuldades com memória antes dos 60 anos estão relacionadas a outras causas, como depressão ou transtornos de ansiedade, incluindo estresse. Na opinião do neurologista Cícero Galli Coimbra, da Universidade Federal de São Paulo, a perda é "plenamente evitável", desde que a pessoa mude sua reação ao estresse e mantenha o cérebro em atividade. Segundo ele, o estilo de vida atual favorece o surgimento de doenças neurodegenerativas. "O fator emocional é o mais importante. O estresse bloqueia a produção de novos neurônios e facilita a degeneração dos que a pessoa já possui", justifica. Nas palavras de Cammarota, "desarranjos de ordem psíquica se cruzam com outro de memória. Se brigou com o namorado, por exemplo, a pessoa pode estar deprimida e não prestar atenção a coisas de que lembraria normalmente". Ele também defende que, para a maioria das pessoas com menos de 65 anos, a perda de memória não está relacionada a uma doença degenerativa. "Se você não se lembra de quem é sua mãe, eu me preocuparia, mas esquecer a reunião é normal. Para isso, há as agendas." Bottino lembra que outras doenças, como hipotireoidismo, podem causar problemas de memória. No caso, é preciso tratar a doença de base. Problemas no sistema circulatório, além de elevarem o risco de acidente vascular cerebral, também aumentam o risco de danos cognitivos no futuro. A perda de memória associada ao envelhecimento do tecido nervoso ocorre a partir dos 65 anos. Com essa idade, 1% da população já apresenta demência e, a cada cinco anos, a porcentagem duplica, segundo Coimbra. Em todos os casos, e em qualquer idade, os especialistas afirmam que o envelhecimento cerebral pode ser retardado, que é possível recuperar perdas da reserva funcional do cérebro, formar novas conexões e ter um desempenho melhor. "Cuidar do corpo como um todo, praticar atividades físicas e intelectuais estimulantes são passos fundamentais para isso", diz Bottino. Desses conselhos, é bom não se esquecer.