-->

sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

Dive into fear!

For some people, fear has no logic. For certain others, it brings tremendous logic of this and that. There are infinite possibilities, so many ways to prove that one's fears are valid. We can always find good reasons to be afraid. But in this case, rather than taking an analytical approach to fear, you should just look at your fear directly. Then, jump into that fear. If you do that, the next thing you will experience is a sense of complete flop. Fear brings together a lot of intense energy. When you dive into it, you feel as if you have just pierced a balloon. Or it's as if you have just dived into ice water; there's a sudden coldness. Then you will feel a tinge of sadness. Beyond that, you may feel some continuing sense of isolation and uncertainty, which is the leftovers of the fear, but nevertheless, the quality of intense fear begins to subside, and your fear becomes somewhat reasonable and workable.

Para algumas pessoas, o medo não tem lógica. Para alguns outros, traz uma lógica imensa sobre isto e aquilo. Há infinitas possibilidades, tantas maneiras de provar que os temores de alguém são válidos. Podemos sempre encontrar boas razões para ter medo. Mas neste caso, ao invés de tomar uma abordagem analítica para o medo, devemos apenas olhar para o nosso medo diretamente. Então, pular dentro do medo. Se vocês fizerem isso, a próxima coisa que você vão experimentar será uma sensação de fracasso. O medo reúne uma grande e intensa quantidade de energia. Quando vocês mergulharem nele, vocês sentem como se tivessem apenas furado um balão. Ou como se vocês tivessem apenas mergulhado na água gelada, há uma frieza súbita. Então vocês vão sentir uma pontinha de tristeza. Além disso, vocês podem ter algum sentimento permanente de isolamento e incerteza, que são as sobras do medo, mas a qualidade intensa do medo começa a diminuir, e seu medo se torna meio que razoável e praticável.

From "The Other Side of Fear, " page 108, in SMILE AT FEAR: AWAKENING THE TRUE HEART OF BRAVERY. - Chogyam Trungpa Rinpoche.

http://www.shambhala.com

Um comentário:

Maria José disse...

Passou o Natal, e com ele, aquela sensação de acomodar num só dia o atraso de bondade e humanidade do ano inteiro.
Façamos diferente. Que possamos destilar um pouco desse espírito natalino em doses diárias no ano que se inicia.
Obrigada pela convivência maravilhosa em 2009. Que esta amizade seja renovada em 2010. Beijos.

Postar um comentário